Jubileus Na História

Jubileus Na História

O primeiro Jubileu da história ocorreu no ano de 1300, com o Papa Bonifácio VIII, que estabeleceu que cada 100 anos, deveria ser celebrado um novo Jubileu. Logo após, o Papa Clemente VI decidiu reduzir o intervalo entre um Jubileu e outro a 50 anos, de modo que este período fora o mesmo do Jubileu Hebraico. Ao final, o Papa Pablo II determinou que o Jubileu deveria ser celebrado a cada 25 anos. Além dos Jubileus programados, no caso de acontecimentos de particular importância, os Jubileus extraordinários podem ser anunciados. Na história, foram realizados três Jubileus extraordinários, que são:

Jubileus importantes na história:

1300 – Papa Bonifácio VIII
No dia 22 de Fevereiro do ano 1300, o Papa Bonifácio VII anunciou o primeiro Jubileu da história, afirmando que, para ter direito à Indulgência Plenária, os Romanos teriam que visitar a Basílica de São Pedro e a Basílica de São Paulo fora dos Muros pelo menos 30 vezes antes do final do ano e os peregrinos do exterior teriam que visitá-las 15 vezes.
1350 – Papa Clemente VI
O segundo Jubileu foi anunciado no ano 1343 do Papa Clemente VI. Sua preparação foi muito difícil, devido à grande plaga (1348) e ao terremoto devastador (1349), que destruiu parte da Roma e do centro da Itália. Apesar destes acontecimentos trágicos, milhares de peregrinos vieram a Roma para as celebrações do Jubileu.
1350 – 1425: Celebração periódica e regular dos Jubileus
1425 – Papa Martinho V
Neste ano, a Porta Santa da Basílica de São João Latrão foi aberta pela primeira vez.
1425 – 1475: Celebração periódica e regular dos Jubileus
1475 – Papa Pablo II / Papa Sisto IV
O Papa Pablo II declarou que a partir deste ano, os Jubileus aconteceriam cada 25 anos, para que cada geração pudesse viver pelo menos um Ano Santo. Este Jubileu, na realidade, foi presidido de Papa Sisto IV, porque o Papa Pablo II no entanto havia falecido.
1475 – 1500: Celebração periódica e regular dos Jubileus
1500 – Papa Alexandre VI
O Papa Alexandre VI estabeleceu a cerimônia oficial da abertura e do encerramento de cada Jubileu: a abertura de cada Jubileu teria que ser determinada para a abertura da Porta Santa da Basílica de São Pedro pelo Papa atual. Logo após, seriam abertas as Portas Santas das outras Basílicas em Roma. Foi determinado também que as Portas Santas teriam que ficar abertas o ano todo.
Além dos Jubileus dos anos 1800 e 1850 (devido às Guerras Napoleônicas), a partir do ano 1500 até o ano 1875, os Jubileus foram celebrados regularmente
1875 – Papa Pio IX
O Jubileu do ano 1875 foi o primeiro celebrado depois da Unidade da Itália. No entanto, não foi possível abrir e fechar a Porta Santa da Basílica de São Pedro, devido à ocupação militar por parte das tropas de Víctor Manuel II
1875 – 1925: Celebração periódica e regular dos Jubileus
1933 – Papa Pio XI (primeiro Jubileu Extraordinário)
1900 anos depois da morte de Jesus, o Papa Pio XI convocou um Jubileu extraordinário. Ele fez 620 discursos, e mais de 2 milhões de peregrinos vieram a Roma para celebrar este aniversário.
1950 – 1975: Celebração periódica e regular dos Jubileus
1983 – Pope João Pablo II (segundo Jubileu extraordinário)
O papa João Paulo II convocou este segundo Jubileu extraordinário para celebrar o 1950° aniversário da morte e ressurreição de Jesus.
2000 – Papa João Pablo II (o Grande Jubileu)
Durante todo o ano 2000, o Papa João Paulo II fez muitas peregrinações e gestos simbólicos durante as celebrações, como o pedido de perdão pelos pecados cometidos durante toda a história. O evento mais importante do ano santo foi a celebração das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) em Roma naquele ano.
2015 – Papa Francisco (terceiro Jubileu Extraordinário)
Papa Francisco convocou o terceiro Jubileu extraordinário, para celebrar o 50º aniversário do fim do Concílio Vaticano II. A Porta Santa da Basílica de São Pedro foi aberta no dia 8 de dezembro e foi a primeira vez que um Jubileu foi realizado e depois celebrado na presença de dois Papas: o papa emérito (Bento XVI) e o papa reinante (Francisco).